Pular para o conteúdo principal

Maria Bethânia - Recital Na Boite Barroco (1968)

Red Retro Vinyl Music Flyer - 1
Se uma cantora aprende a cantar e passa a cantar bem, muito bem, ela corre o perigo de cantar bem demais: ela corre o perigo de se tornar uma máquina de cantar, precisa e fria. Isso não acontece apenas com cantor, mas com todo tipo de artista pintor, poeta, músico. Gauguin dizia: "Quando aprender a pintar com a mão direita, passarei a pintar com a esquerda, e quando aprender a pintar com a esquerda, passarei a pintar com os pés. O cantor não tem tantas opções: seu risco é maior. Mas não entenda errado o que digo. Não estou dizendo que só quem não sabe cantar canta bem. Estou dizendo que cantar bem não é cantar correto, segundo se afirma que é correto. Cantar bem é cantar como Bethânia canta: com o calor da vida. É por isso que ela diz: "Sei que desafino às vezes. Mas eu também desafino na vida".

Bethânia é daquele tipo de cantora que não deixa dúvida. A gente ouve e já sabe: uma intérprete excepcional. O que alguns discutem é se ela é ou não a maior cantora brasileira de hoje. Mas isso é uma discussão ociosa. O que é indiscutível é que algumas de suas interpretações, de músicas atuais ou do passado, atingem aquele ponto definitivo que as torna insuperáveis. Ninguém esquecerá jamais a Bethânia do Carcará, como ninguém esquecerá também a Bethânia de Anda, Luzia. A estas se somariam várias outras interpretações e neste disco mesmo podemos citar, apenas como exemplo, Se Todos Fossem Iguais a Você, de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, ou a irônica recriação de Café Socaite, para não falar em Baby, de Caetano Veloso, ou em Ele Falava Nisso Todo Dia, de Gilberto Gil.

Isso define uma grande cantora: a capacidade de criar a interpretação definitiva, dentro de determinada época, das canções nacionais. Bethânia é uma cantora nacional, deste país, enraizada nele, e na multidão de vozes e cantos que exprimem a nossa vida destaca-se a sua bela, já turva, já iluminada, que canta por todos nós. *** Ferreira Gullar

Faixas do álbum:
01. Marginália II (Ao Vivo)
02. Carinhoso / Se Todos Fossem Iguais A Você (Ao Vivo)
03. Último Desejo (Ao Vivo)
04. Camisa Listada (Ao Vivo)
05. Marina (Ao Vivo)
06. O Que Tinha De Ser (Ao Vivo)
07. Molambo (Ao Vivo)
08. Lama (Ao Vivo)
09. Pano Legal / Café Socaite (Ao Vivo)
10. Pé Da Roseira (Ao Vivo)
11. Ele Falava Nisso Todo Dia (Ao Vivo)
12. Baby (Ao Vivo)
13. Maria, Maria (Ao Vivo)

Download:

90 MB - ZIP - MP3 - 320 Kbps - REMASTERIZADO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Roberto Carlos - Roberto Carlos (1981)

Faixas do álbum: 01. Ele Está Prá Chegar 02. Simples Mágica 03. As Baleias 04. Tudo Pára 05. Doce Loucura 06. Cama E Mesa 07. Emoções 08. Quando O Sol Nascer 09. Eu Preciso De Você 10. Olhando Estrelas Download: 96 MB - ZIP - MP3 - 320 Kbps - REMASTERIZADO MEGA - IceDrive - Degoo

O grande encontro - 20 anos (1 CD) (2016)

A quarta edição desse projeto histórico da Música Popular Brasileira, celebra os 20 anos de existência de O Grande Encontro. Já se passaram 20 anos, desde que antigo Ginásio Machadinho, em Natal, recebeu quatro dos mais influentes artistas brasileiros, representantes máximos de toda a força e cultura nordestina. Agora em 2016, três deles voltam a se unir mais uma vez: a paraibana Elba Ramalho e os pernambucanos, Geraldo Azevedo E Alceu Valença. Mesclando um repertório de clássicos da MPB, música nordestina e sucessos dos três artistas, este projeto é a junção de tudo o que houve de melhor das três edições anteriores. E traz ainda três faixas inéditas para enriquecer ainda mais o repertório e um cenário deslumbrante. Esse encontro histórico, que foi eternizado ao final da turnê de 1996 com um show gravado no Canecão (RJ), teve mais dois volumes, sem a presença de Alceu Valença. Agora, duas décadas após o lançamento do projeto que já vendeu mais de 2 milhões discos, Alceu volta a se unir

Roberto Carlos - O Inimitável [1968]

Primeiro disco lançado após Roberto Carlos deixar o programa Jovem Guarda, da TV Record, "O Inimitável" é considerado o álbum de transição do cantor, embora ainda traga todas as características daquele movimento musical. Nesse álbum, Roberto Carlos usou a influência do Funk e da Tropicália para fazer a transição da Jovem Guarda que é conhecida como pós-Jovem Guarda. Logo na faixa de abertura do LP, com a impactante "E Não Vou Mais Deixar Você Tão Só" (composição de Antônio Marcos), nota-se uma mudança, já que álbuns anteriores tinham canções mais ingênuas como ("Aquele Beijo que te Dei", "É Tempo de Amar" ou "Gosto do Jeitinho dela"). Este era um sinal de mudanças no repertório do músico, que gradualmente mudaria seu gênero, passando a priorizar canções mais maduras e elaboradas, seja entrando de cabeça no soul ou seja canções mais profundas e estridentes como "Se Você Pensa" e "As Curvas da Estrada de Santos" do álb